Quando ocorre no pós-parto, a flacidez é causada principalmente pela queda dos níveis dos hormônios e pelo ganho de peso na gravidez. Outro fator importante para o surgimento da flacidez é a falta de atividade física durante o período de gestação. Há dois tipos de flacidez: a muscular (profunda) e a dérmica (superficial). A muscular é causada pela vida sedentária, alimentação inadequada e pelo chamado efeito “sanfona”, isto é, perda e recuperação de peso sucessivos: o emagrecimento leva à perda de massa muscular, enquanto o ganho de peso aumenta o volume do tecido gorduroso. A cada dieta não orientada, a proporção do tecido gorduroso aumenta em relação à do tecido muscular. E, como a massa muscular é responsável pela queima de gordura, é fundamental preservá-la ao perder peso, o que só é possível por meio de exercícios. Já a flacidez superficial acontece principalmente devido à perda de elementos do tecido conjuntivo (responsável pela sustentação das partes moles do corpo, apoiando e ligando os outros tipos de tecido), como fibroblastos, elastina e colágeno, que acabam tirando a firmeza entre as células, “afrouxando” a pele. Em consequência, a pele fica caída e com aspecto envelhecido.

 

Orientação

Atividade física

Quanto mais precocemente você voltar a se exercitar, melhor. Sabemos que não é fácil conciliar o bebê, o trabalho e a casa. Mas, logo que o obstetra liberar, a mulher deve se esforçar para voltar a caminhar e exercitar a musculatura, principalmente das coxas e abdome. Lembre-se, porém, de que aquele estilo e “malhação” que forçava exageradamente o corpo e os músculos está totalmente superado. O conceito de atividade física predominante hoje é o da atividade consciente de cada etapa do trabalho realizado pelo músculo. Isso significa fazer exercícios de pouco impacto e com percepção de movimento – isto é, vagarosamente, sentindo o músculo indo e voltando. Mas o mais importante é procurar os exercícios que goste mais de fazer, para que se sinta motivada, uma vez que o tratamento clínica, sozinho, não resolve o problema; ele sempre deverá ser associado à atividade física.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe com um amigo(a)










Enviar
Compartilhe com um amigo(a)










Enviar
Compartilhe com um amigo(a)










Enviar